Cleopatra e os perfumes

Cleópatra, a última rainha do Egito, uma das figuras mais emblemáticas da antiguidade era famosa por suas habilidades na arte da beleza, principalmente, no que diz respeito ao fato de perfumar-se com tanta intensidade. Dizem que ela tinha muita habilidade e fazia seus próprios perfumes para diversas finalidades, para embelezar e seduzir, bem como para acalmar e alegrar os ânimos e também para ter bons os sonhos.


Recentes descobertas de historiadores, encontraram frascos de perfume, que pelas investigações acreditam terem sido um dos perfumes de Cleópatra, como um dos mais antigos e complexos perfumes, conhecido como Kyphi.


“Robert Littman e Jay Silverstein, arqueólogos da Universidade do Havaí Manoa , há anos eles lideram um projeto de escavações em um local chamado Tell Timai, que fica no delta do Rio Nilo, onde no passado se encontrava a antiga cidade de Thmuis. Os Dois professores recriaram uma série de perfumes antigos, incluindo o perfume usado pela lendária Cleópatra, Rainha do Egito, que estão todos em exibição em uma exposição da National Geographic...
Juntando a descoberta dos fornos com o achado da casa do mercador, os arqueólogos concluíram que aquilo que estavam escavando era uma verdadeira indústria de antigas fragrâncias —atividade pela qual Thmuis era famosa. Dois dos perfumes mais usados da antiguidade, chamados “Mendesiano” e “Metopiano”, eram feitos lá. Por serem produtos caros e requintados, eram acessíveis somente para nobreza.
De acordo com o Ancient Egypt, a primeira referência ao ‘Kyphi’ ou incenso do templo, está nos Textos da Pirâmide que datam da 5ª e 6ª dinastias do Antigo Império (2686 AEC – 2181 AEC). Embora esses textos não forneçam a receita real para Kyphi, nem listam nenhum dos ingredientes originais, eles informam que Kyphi era um dos luxos que os faraós respeitosos usavam na jornada para a vida após a morte.
A primeira fase do Projeto Tell Timai revelou evidências arqueológicas tangíveis para apoiar antigos registros gregos, afirmando que Thmuis era um antigo centro de produção de perfumes. Um relatório da University of Hawai’i News diz que “um vasto complexo de fornos do século III aC foi descoberto”, que disparou “argilas importadas para fabricar finos lekythoi ou frascos de perfume”.
Um forno de fabricação de vidro do período romano também foi descoberto e acredita-se que “representa a transição da cerâmica para os ‘unguentários’, que são pequenos frascos de perfume de vidro.” Os arqueólogos também encontraram ânforas na área de fabricação e análises químicas estão sendo conduzidas para ver se há traços identificáveis de qualquer um dos líquidos e tinturas produzidos no local.
Para isso, os cientistas recriaram os perfumes mais comuns do império através de amostras e restos encontrados em vasos que os continham. Durante uma década, explica a equipe em comunicado, foram levadas a cabo escavações em Tell-El Timai, local que à época era conhecido como a cidade de Thmuis, que foi a “casa” dos mais famosos perfumes da antiguidade e da Mesopotâmia.
Apesar de as garrafas e os recipientes encontrados não terem odor, uma análise química da lama que se encontrava nelas revelou alguns dos ingredientes. Depois, os cientistas levaram as suas descobertas a dois especialistas em perfumaria egípcias – Dora Goldsmith e Sean Coughlin – que os ajudaram a recriar o perfume de acordo com as fórmulas encontradas em textos antigos.
A base das fragrâncias recriadas é a mirra, uma resina extraída de uma árvore espinhosa nativa de África e da Península Arábica. Ingredientes como cardamomo, azeite de oliva e canela foram também adicionados para produzir perfumes antigos, que eram por norma muito mais grossos e pegajosos do que os atuais, o que lhes conferia aromas fortes e mais condimentados para que durassem mais tempo”.

Artigo publicado: SoCientifica

19 de dezembro 2019